Clique aqui e conheça nosso site

Clique aqui e conheça nosso site
Clique aqui e conheça nosso site

domingo, 1 de abril de 2018

ATUALIDADE: Católicos de Riachão do Jacuípe reclamam do fim das tradições da Semana Santa na cidade.


Pelo segundo ano consecutivo o Pároco Wesdras da Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Riachão do Jacuípe não mantém a tradição centenária do povo católico da cidade: a procissão do fogaréu e a procissão do Senhor Morto.

A comunidade católica da cidade se diz triste por um Sacerdote que chega para coordenar uma paróquia e acaba com a cultura do município. Segundo alguns católicos que entrou em contato com nosso blog, é nítida a falta de interesse da grande maioria destes Padres Vocacionistas que já  passaram pela Paróquia.

“Enquanto muitos sacerdotes tentam resgatar a tradição cristã de um povo o Padre Wesdras com tamanha letargia tenta apagar a nossa história” disse um dos fiéis.



Significado da Procissão do Senhor Morto

Essa celebração dramática acontece na Sexta feira Santa. Prepara-se um Calvário, com o Senhor crucificado, acompanhado de algumas figuras bíblicas.

Em geral, aparecem a figura de Maria, Mãe de Jesus, caracterizada como a Senhora das Dores. Tem-se o costume de se colocar Maria Madalena, Verônica, São João apóstolo e outros.

A procissão é seguida em silêncio, ao som das matracas e com cânticos de dor e piedade. A devoção popular faz dessa celebração o ponto alto da Semana Santa. Todos acompanham e rezam, como se fosse de fato um enterro real.

Há ainda o costume de se beijar o Senhor Morto após a chegada à Igreja, com clima de piedade, tristeza e meditação.

Existem algumas tradições populares que são marcantes na Sexta Feira Santa. Ao meio da Sexta Feira Santa, muitos já vão à Igreja para o beijamento do Senhor Morto. Geralmente é uma imagem de tamanho natural, com cabelos naturais, que está deitada num esquife, com lençol e fronha bordados de roxo.

DA REDAÇÃO.
Postar um comentário